segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Tomadas Elétricas

Bem, para aqueles que tem crianças em casa, é necessário os protetores de tomadas.
Em forma de gato, cachorro, elefante e ovelha, acessórios coloridos isolam as tomadas de casa com estilo.
Nem sempre é fácil manter os dedinhos dos pequeninos afastados das tomadas elétricas.
Os protetores são de extrema importância para a segurança, mas, nem por isso, precisam ser sem graça.


Porém, o Inmetro anunciou em diversos veículos a nova padronização brasileira para as tomadas
e plugues elétricos de nossas casas. Entram em vigor até 2010, os 2 formatos diferentes, com
dois (bipolar) e três pinos (bipolar com aterramento), em substituição gradativa aos mais de 10
formatos de tomadas residenciais existentes no mercado nacional.
A Resolução No. 11 do Conmetro – Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade
Industrial – anunciada em dezembro de 2006, ratifica a exigência da norma regulamentadora
ABNT NBR 14136:2002, da obrigatoriedade da certificação definida pelo Inmetro e estabelece os
prazos necessários para que os fabricantes de plugues e tomadas elétricas se adequem às normas.
O encaixe do plugue deverá ter o formato hexagonal e as tomadas onde o encaixe será feito terão um baixo relevo de 8 a 12 milímetros de profundidade, criando uma espécie de buraco onde o plugue ficará acomodado, evitando folgas e exposição dos terminais metálicos e consequentemente diminuindo riscos de choques elétricos – uma das principais preocupações do novo formato.
Para as residências mais antigas onde estas novas tomadas ainda não estão em uso, os protetores de tomadas ainda são de grande valia.
Mas, futuramente estes acessórios serão peças de museu.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Um brunch lá fora



O brunch é a solução perfeita para dar uma festa sem ter muito trabalho. Se for ao ar livre, muito melhor. Com um cardápio criativo que reúne café-da-manhã e almoço, tem tudo para animar os dias de calor Texto e produção Cláudia Alcione Pereira. Fotos Iara Venanzi A moda chegou por aqui nos anos 1980, vinda dos Estados Unidos, e logo pegou entre os brasileiros, que adoram dar uma “esticadinha” a qualquer festa. Servido no meio da manhã, o brunch entra no horário do almoço e se estende até o meio da tarde. É uma maneira fácil de receber para um encontro informal, já que todas as comidas são servidas juntas. Além do mais, permite ao anfitrião curtir o encontro o tempo todo.




“Hoje, as festas com esse tema começam por volta do meio-dia, justamente para substituir o almoço”, diz Adriana Dleizer, do bufê Quitutaria. “Mas claro que há sempre os que chegam mais cedo e aproveitam a reunião do começo ao fim.” Sempre inventiva, Adriana foge da velha e boa opção de pãezinhos com frios, geléias e queijos e sugere um cardápio (para aproximadamente oito pessoas) com pratos como a focaccia napolitana, quiches que podem ser compradas prontas, saladas verde e caprese e uma caçarola de cogumelos – de início, essa especialidade vai para a mesa “quente”, mas pode ficar até o final da reunião, pois é gostosa mesmo fria. Os bolinhos tipo danish e as madeleines ficam para o café-da-manhã e uma deliciosa mistura de abacaxi em cubos com fitas de coco, para a sobremesa. Para encher os olhos e matar a sede, os sucos de laranja com especiarias e de capim-santo com limão são diferentes e refrescantes. “Mais informal que um almoço, o brunch tem a vantagem de o anfitrião não precisar esperar a chegada de todos os convidados”, afirma a jornalista especializada em culinária Fabiana Badra Eid. Ela sugere que seja oferecido um espumante, que é leve e dá sofisticação à festa. “Há também a opção de caipirinhas de frutas, que devem ser servidas próximo ao horário do almoço”, diz Fabiana. Afinal, é um drinque que requer estômago forrado.
Se fizer sol, o melhor é festejar ao ar livre. Para economizar espaço na mesa, vasinhos pequenos com flores podem ser pendurados no guarda-sol com fitas de cetim. Para facilitar na hora de servir, é indicado o apoio de uma mesinha lateral ou um carrinho de chá, onde devem ficar os talheres, os pratos e os guardanapos de papel. O bacana é misturar as louças: peças de vidro, peças brancas (que sempre se têm no armário) e, para dar uma graça, pratos numa cor leve. Lembrete: os tons pastel estão em alta.


Curta o fim de semana entre os amigos ou com a família, logo de manhã. Mude o hábito do almoço e aproveite o dia todo com esta opção charmosa: o brunch. A moda chegou por aqui nos anos 1980, vinda dos Estados Unidos, e logo pegou entre os brasileiros, que adoram dar uma “esticadinha” a qualquer festa. Servido no meio da manhã, o brunch entra no horário do almoço e se estende até o meio da tarde. É uma maneira fácil de receber para um encontro informal, já que todas as comidas são servidas juntas. Além do mais, permite ao anfitrião curtir o encontro o tempo todo. “Hoje, as festas com esse tema começam por volta do meio-dia, justamente para substituir o almoço”, diz Adriana Dleizer, do bufê Quitutaria. “Mas claro que há sempre os que chegam mais cedo e aproveitam a reunião do começo ao fim.” Sempre inventiva, Adriana foge da velha e boa opção de pãezinhos com frios, geléias e queijos e sugere um cardápio (para aproximadamente oito pessoas) com pratos como a focaccia napolitana, quiches que podem ser compradas prontas, saladas verde e caprese e uma caçarola de cogumelos – de início, essa especialidade vai para a mesa “quente”, mas pode ficar até o final da reunião, pois é gostosa mesmo fria.

Os bolinhos tipo danish e as madeleines ficam para o café-da-manhã e uma deliciosa mistura de abacaxi em cubos com fitas de coco, para a sobremesa. Para encher os olhos e matar a sede, os sucos de laranja com especiarias e de capim-santo com limão são diferentes e refrescantes.

Fonte:http://revistacasaejardim.globo.com/Revista/Common/0,,EMI89703-16777,00-UM+BRUNCH+LA+FORA.html