sexta-feira, 9 de novembro de 2012

ALMOFADAS NA DECORAÇÃO

   Aparentemente elas são apenas decorativas, mas cada dia mais elas vão muito além da decoração, também são essenciais em momentos de lazer, descanso e dão um toque de conforto aos mobiliários mais rústicos.
   É um acessório essencial à decoração, sempre dando um charme nos ambientes, salas, quartos, varandas.
   Na decoração são peças chaves, chamadas de coringas, pois podem mudar o astral dos ambientes ou radicalizar os espaços como um todo. Podem ser trocadas apenas as capas, mas também podemos trocar os modelos, tamanhos.
   Divertidas, coloridas, tecidos mais leves, crochê, chita, patchwork, futtons, indianas, provençais, em forma de flor, carrinhos, bonecos, enfim, as almofadas são deliciosas.
   Em um ambiente decorado procura-se a harmonia de cores e formas para compor o espaço, mas contudo devem ser confortáveis.


















 

terça-feira, 25 de setembro de 2012

A ESCOLHA DO SOFÁ E POLTRONA

   No momento da escolha de sofás e poltronas deve-se levar em consideração não apenas a beleza e a combinação de cores, também é essencial avaliar o conforto que o móvel proporciona, pois depois do colchão, o sofá é o item da casa mais utilizado, afinal tem pessoas que passam horas diante da TV e uma escolha errada pode acarretar desconforto e problemas de saúde.
   Alguns pontos são importantes de se observar como, o tipo físico das pessoas que irão utilizar o sofá ou poltronas, quando, por exemplo, uma família, deve-se levar em conta a pessoa mais alta da casa porque as demais irão se adaptar ajustando com almofadas de apoio.


                                                                       
   Ao comprar um sofá ou poltrona deve-se testá-los, sentar confortavelmente, perceber se os pés ficam apoiados no piso. Assentos profundos deixam os pés suspensos, atrapalhando a circulação sanguínea para as pernas. Já os estreitos nos fazem escorregar do estofado. Outro fator interessante são os braços que devem ficar em repouso sobre o corpo ou apoiados nas laterais do estofado, pois braços erguidos sem sustentação por muito tempo, principalmente durante leituras, resultam em lombalgias.

                                                              
   Ao contrário do que se pensa, nem sempre maciez sinônimo de conforto, para ser anatomicamente agradável, o estofado tem que estar no meio-terno entre o macio e o firme.
   As melhores composições são molas cobertas por um tecido encorpado, uma boa camada de espuma, manta acrílica e por último o estofamento, além é claro da escolha do tecido que irá cobri o sofá.
   Os tecidos devem ser agradáveis ao toque. Passando o punho sente-se a maciez da superfície com mais sutileza, pois a área do corpo é mais sensível. Alguns tecidos são mais agradáveis a resistentes também como: linho, veludo, sarja peletizada, chenile e microfibra.


                                                                            
     Um fator de extrema importância são as dimensões no momento da compra. Sempre leve as medidas, pois os tamanhos maiores nos levam a sensação de conforto e nos remetem a compras incorretas, medidas desproporcionais são decepções futuras.
   Assentos retráteis e encostos reclináveis estão em alta, mas não funcionam bem em qualquer sala, principalmente se não houver espaço para que o sofá possa reclinar e funcionar como uma chaise. Então, preste atenção, porque este investimento poderá ser em vão.
   Sofás com chaises fixas são peças charmosas, mas devem ser utilizadas em ambientes que tenham espaço de circulação para tal. Caso esse não seja o caso do ambiente, opte por chaises retráteis, serão funcionais e confortáveis para os momentos de assistir à TV.



                                                                    
   Defina qual o ambiente que o sofá irá compor: por exemplo, living ou home theater. No caso do living, o estilo da decoração é o mais importante. No caso do home, o conforto é o essencial.
  
                                                                               

 
   O mais importante é que você se sinta bem com seu sofá, tanto no que se refere ao visual quanto ao conforto! Ele tem que agradar. Tem que ter a ‘sua cara’ e o seu jeito.
                                                                         

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

AS VÁRIAS UTILIZAÇÕES DO PAPEL DE PAREDE

  Com o uso do papel de parede em alta, este não está mais sendo utilizado de maneira apenas convencional, podemos brincar com a criatividade e trabalhá-lo de diversas formas.
  As estampas estão mais variadas e mais divertidas. Ainda temos os tradicionais modelos, porém hoje além de estampas, os papéis de paredes tem texturas, são emborrachados e tem efeitos 3D.
  Este armário, arrematado na Casa André Luiz, foi pintado com tinta esmalte branca e forrado com papéis de parede com várias estampas.

  Certamente você tem ou já viu essas caixinhas de madeira forradas com tecido. A diferença, aqui, é que foram usados retalhos de papel de parede.

  O papel de parede pode servir como passe-partout colorido para um quadro. Quadro decorado pela arquiteta Andrea Murao.

  Até a porta entrou na dança. Aqui, ela foi parcialmente forrada com papel de parede vintage, comprada no site Ebay.

  Aquela escrivaninha já está velha e gasta? Repagine-a com o papel. Para ficar uma composição divertida, use diversas estampas.

  Luminárias simples, com cúpulas sem muitos detalhes, foram revestidas com vários tipos de papel de parede. A unidade veio com as cores, todos em tons de cinza e preto.


  Agora é só ter boas idéias, usar a criatividade e redecorar ambientes e objetos.

Fonte: http://revistacasaejardim.globo.com


sexta-feira, 1 de junho de 2012

O PODER DAS VELAS

 

 Quando se fala em inspiração na decoração se pensa em velas. Elas tem o poder de mudar o clima de um ambiente, são investimentos barato e levantam o astral dos espaços.
  O uso das velas se estendeu à decoração, sendo utilizadas em todos os ambientes e para as diversas ocasiões.
  As velas sempre foram utilizadas para orações, jantares românticos ou simplesmente para iluminar os lugares quando ainda não havia iluminação elétrica.
  Hoje seu uso é praticamente indispensável na decoração. De várias formas, cores, aromas, dispostas de diversas maneiras viraram febre.



  As velas iluminam varandas, jardins, nos candelabros ou lanternas, causam um efeito incrível, tornam os espaços românticos ou rústicos dependendo do que foi utilizado para compor.  Dependendo do ambiente, do tipo de vela, cor, aroma e suporte ou candelabro, enfim, o que for utilizado, o ar pode ser tornar misterioso ou até sombrio.


  Temos inúmeros modelos de suporte para velas, lanternas, candelabros, copinhos coloridos (muitos indianos ou turcos), de cristais, alguns são mais clássicos, ou mais descontraídos, a verdade é que as quando se acende uma vela é como se uma pequena jóia brilhante se acendesse.






quinta-feira, 17 de maio de 2012

FIBRAS NATURAIS NA DECORAÇÃO




Há algum tempo já que as FIBRAS NATURAIS estão em alta no mercado da decoração.


As Fibras Naturais são retiradas prontas da natureza, como o rattan, as palhas, o vime, junco, fibras de folhas de bananeira, do algodão, linho,etc. Estas fibras que surgem da natureza podem ser fiadas como material têxtil. São polímeros de origem vegetal ou animal.

As fibras naturais podem ser classificadas em três categorias: vegetais, animais e minerais.

As fibras vegetais são formadas por células vegetais alongadas, sendo a base a celulose.

As fibras de origem animal, cuja base é a ceratina, isto é, material tipo corno, incluem diversos tipos de pelos animais, a lã de tosquia, os filamentos fiáveis formados pela secreção das glândulas do bicho da seda (seda natural).

Um bom exemplo de fibra mineral é o amianto.

A Organização das Nações Unidas pela Agricultura e Alimentação (FAO) declarou 2009 como o Ano Internacional das Fibras Naturais, com diversos eventos, inclusive no Brasil, para divulgar e estimular a demanda por seu uso e mostrar a relevância econômica dessas fibras, especialmente para os pequenos agricultores.

Conheça outras fibras naturais, bem curiosas, abaixo:

Matéria-prima - Rami / Folhas da planta de mesmo nome

Produtores - China, Japão e Taiwan

Produtos finais - Tecidos, cordas, barbante, papel-moeda e reforço de mangueira e pneu



Matéria-prima - Coco / Fruto do coqueiro comum

Produtores - Índia, Sri Lanka e Filipinas

Produtos finais - Tapetes, escovas, cordas, vassouras, vasos para plantas, painéis e assentos para carro



Matéria-prima - Acacá / Folha de um tipo de bananeira, a Musa textilis

Produtores - Filipinas e Equador

Produtos finais - Saquinhos para chá, papel para cigarros, embrulhos e escritório, linha, rede de pesca, tapetes



Matéria-prima - Cânhamo / Planta Cannabis sativa L., diferente da maconha, livre de psicoativos

Produtores - China, Chile e França

Produtos finais - Cordas, roupas, calçados, telas para pintura, papel e painéis para carro



Matéria-prima - Lã de Angorá / Pelo da lebre angorá

Produtores - China, Argentina, Chile, República Checa

Produtos finais - Cachecol, mantas, xales e roupas finas



Matéria-prima - Mohair / Pelo da cabra angorá

Produtores - Turquia, África do Sul, Estados Unidos

Produtos finais - Ternos, suéteres, meias, cobertores, xales, carpetes e tecidos para decoração



Matéria-prima - Lã de Alpaca / Pelo da alpaca, parente sul-americano do camelo

Produtores - Peru e Bolívia

Produtos finais - Roupas, boinas, gorros, cachecóis, meias, tapetes, pelúcias, sapatos



Matéria-prima - Pelo de Camelo / Camelo e, em menor escala, dromedário

Produtores - China e Mongólia

Produtos finais - Roupas de frio, como casacos, jaquetas, capas, blazers e luvas



Matéria-prima - Caxemira / Pelo da cabra caxemira

Produtores - China, Mongólia e Irã

Produtos finais - Roupas de frio, como suéteres, cachecóis, mantas e cobertores

Fontes: Eloy Casagrande Jr., designer industrial e professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e site do Ano Internacional das Fibras Naturais




Muitos projetos de decoração adotam o estilo rústico, realçando a simplicidade e a utilização de fibras naturais. Os ambientes tornam-se relaxantes, próprios para pessoas que valorizam a qualidade de vida e se preocupam com as questões ambientais.

Com tramas e tonalidades variadas, as fibras naturais perderam o antigo conceito de "exóticas e alternativas", quando eram usadas apenas e tão somente em casas de praia. Hoje elas ganharam status e se tornaram uma excelente e criativa opção para revestir pisos e paredes, móveis, adornos, cortinas, tapetes, etc.

As palhas naturais, tingidas ou alvejadas, são adequadas para forrar tetos e paredes, enquanto o rústico sisal muitas vezes substitui com muito charme o carpete, ao cobrir pisos e rodapés. Alguns arquitetos elegeram esses materiais como elementos fundamentais na arquitetura de interiores do novo milênio.

É possível criar tetos com simples esteiras de palhas olho d'água, aplicadas ao gesso com cola de sapateiro, por exemplo. As emendas podem ser arrematadas com bambus com filetes de madeira, trazendo um aspecto bastante "natural"ao ambiente.



Para revestir as paredes com palha é preciso que elas estejam com as superfícies lisas e sem umidade. Qualquer infiltração de água pode acelerar o desgaste das fibras. As palhas especiais podem ser encontradas com fios de algodão ou seda.

A palha chinesa, conhecida também por palhinha, é muito utilizada na decoração de interiores no revestimento de paredes. Além de charmosas, ajudam a reter as ondas sonoras e tornar o ambiente agradável acusticamente

Eu recomendo colar a palha em um tecido de algodão antes de usá-la como revestimento de estofados. Esse recurso também pode ser usado na forração de paredes, para evitar o contato direto da palha com a cola, o que poderia implicar em possíveis manchas.



As palhas, em geral, podem ser aplicadas por qualquer especialista na colocação desse tipo de revestimento e, assim como os papéis, requer superfícies planas.

Também é forte já, há alguns anos, a presença do sisal no revestimento de pisos. A fibra é aplicada da mesma forma que um carpete, podendo cobrir madeira e até revestir o contrapiso, desde que esteja impermeabilizado adequadamente.

Originário da Agave, árvore bastante comum no nordeste brasileiro, o sisal tem um tramado rústico, que pode ser tingido de diversas cores. Material natural, não inclui produtos químicos na sua manipulação.




Agora, quer saber se combina?

Um cuidado fundamental é a limpeza com escova. Por ser um material frágil, é importante que não seja exposto diretamente ao tempo. Na hora da limpeza o ideal é escovar para tirar a poeira que fica nos vãos. O aspirador de pó também é bem vindo. Não é aconselhável usar produtos químicos, como álcool, alvejantes, abrasivos, saponáceos, ceras, etc... Estes produtos danificam a fibra e podem torná-la frágil.

Perfeitamente integradas ao estilo contemporâneo, contrastam muito bem com peças em metal cromado, pisos e tecidos sofisticados.